Capa > Podcast > Despachados > Despachados 009 – Viajar e comer 2

Despachados 009 – Viajar e comer 2

Despachados 009 – Viajar e comer 2

Sejam muito bem vindos mais uma vez ao seu podcast sobre viagem. Hoje nossa nosso programa é sobre Viajar e comer 2 – A missão. Vamos falar desses dois verbos inseparáveis no dicionário dos viajantes despachados. Preparem os talheres e separe um pacotinho de Sonrisal pois hoje o nosso episódio está estrogonoficamente sensacional. Vamos falar sobre a parte mais gostosa da viagem. Então hoje, excepcionalmente, não recolha e não trave a bandejinha a sua frente, pois o Podcast Despachados está servido.

Saiba como se tornar um patrono/padrinho dos Despachados e acessar nossa sala VIP e garantir uma série de outros benefícios. Basta clicar na imagem abaixo, escolher a classe de sua preferência e aproveitar todos os benefícios. Maiores informações no próprio episódio.

padrim

ATENÇÃO: É altamente recomendado que você faça uma boquinha antes de assistir a este episódio. Não nos responsabilizamos por salivamento, gastura, ódio alheio ou outros sentimentos relacionados.

Episódio de hoje – Viajar e comer 2

Viajar e Comer 2

Apresentação – Foca
#teamdespachados – Monique Renne – Samir Reis – Gabi Kamache – Leonardo Cassol

Convidada Especial – Daiana Almeida – Podcast GNH
GNH

Links – Viajar e Comer

Aplicativos para facilitar a vida do viajante

 4square

yelp

tripad

 Imagens do episódio

picci

Picci tradicional da Toscana – Daiana não curtiu

Haggis da Daiana

Haggis tradicional da Escócia – Nossa convidada Daiana curtiu

Acarajé da Dinha

Acarajé da Dinha no Rio Vermelho – A Gabi recomenda

Queijo da Serra da Estrela – A Monique adora os portugueses

Pastel de Santa Clara

Pastel de Santa Clara – Em Lisboa nem adianta procurar.

Tacacá no Tucupi – O Samir não sabe quando parar.

Muqueca

Muqueca do Banzeiro em Manaus – Segundo a Monique vale uma passagem para Manaus

Prato do Maria Antonieta em Maceió – Acho que o Cassol é sócio

Wanchaco

Prato do Wanchaco – Culinária peruana em Maceió

Picuí

Costela do Picuí – Mais uma opção em Maceió

Torta Búlgara – Original de Salvador

Ficha Técnica

Criação: Foca
Edição: Sr. A e Adonias
Artes: Sr. Foca e Artes Pingo no I
Locução Feminina: Ira Morato, Cristiano e Inês

Imagem da capa

Creative Commons 0 – Domínio Público (Use a vontade)
Via Wikipedia (thanks)

Site despachados.com.br

Layout: Foca e Thiago Miro
Desenvolvimento: Thiago Miro

Trilha Sonora do Programa

Rage Against the Machine

Dropkick Murphys – I’m Shipping Up To Boston
Rage Against The Machine – Calm like a bomb
Rage Against The Machine – No Shelter
Rage Against The Machine – Down Rodeo
Rage Against The Machine – Know your enemies
Rage Against The Machine – Sleep now in the fire
Rage Against The Machine – Bombtrack
Rage Against The Machine – Guerrila Radio
Rage Against The Machine – People of the sum
Rage Against The Machine – Wake Up
Rage Against The Machine – Killing in the name
Rage Against The Machine – Bullet in the head
Rage Against The Machine – Sleep now in fire
Rage Against The Machine – Vietnow
Rage Against The Machine – Take the Power back
Rage Against The Machine – Settle for nothing
Rage Against The Machine – Snakecharmer

Realização: Despachados
Copyright © 2016 Mind7 Digital

  • Galleycast

    Olá Foca! Mariana aqui, e vim em defesa dos meus colegas de trabalho e também esclarecer alguns pontos que foram erroneamente citados no episódio.

    O Cassol citou é uma obrigação legal servir refeições à bordo. Não é. Na empresa onde eu trabalho por exemplo, é citado claramente nas Condições de Transporte (que tem 54 páginas aliás) que por motivos operacionais, não podemos garantir o fornecimento de refeições à bordo. Além disso, se o passageiro me informar à bordo que ele(a) tem alergia à castanhas (nut allergy) daí eu não posso servir absolutamente nada, já que tampouco podemos garantir refeições livres de castanhas.

    Também foi citado que os comissários não esquentam a comida direito: como o Cassol mesmo disse, as boas companhias aéreas tem um cuidado melhor com o serviço de bordo. e isso não poderia ser diferente com o tempo de aquecimento da comida, que tem que seguir um padrão rigoroso. De 26 à 30 minutos para refeição principal, 18 ou 26 para café da manhã (18 para ovos mexidos e 26 para outros items), 10 à 15 minutos para pães, 10 minutos para castanha e pasmem, tenho até padrão de tempo para esquentar a louça, que vai variar se o forno está frio ou não antes do uso. No entanto, poderão haver problemas técnicos com os fornos à bordo e a comida não esquentar por igual, já que não testamos a temperatura de todas as 25 refeições de cada forno. Daí cabe à você passageiro e consumidor exigir que a comida esteja na temperatura ideal – assim como você faria num restaurante, certo?

    Falando em forno, também não costumamos esquentar quase nada em microondas à bordo porque os mesmos não têm pratos giratórios e não esquentam a comida por igual. Inclusive, já tivemos vários princípios de incêndio causados por microondas à bordo e trabalhamos para que seja controlado já no ínicio e vocês passageiros nem percebam. Costumamos utilizar fornos à vapor, justamente para que a comida não resseque mais ainda.

    E não é que o comissário “gosta” de falar carne ou frango, mas na maioria das empresas que conheço, entregamos o menu com a descrição completa do prato e que o passageiro faz? Não lê! Daí chegamos com o “frango ou carne?” achando que o passageiro leu …. e temos que repetir pelo menos 25 vezes por carrinho (número de bandejas) “frango ou carne?” “frango ou carne?” “frango ou carne?” pelo menos por 2 carrinhos (às vezes 3).

    Enfim, há muitas coisas que se passam no avião (e na galley) que o passageiro não faz idéia, por isso conto tudo isso lá no Galleycast.

    No mais, adorei ouvir sobre todas as comidas citadas! Amo cozinhar e comer, e pode ter certeza que tiro muito bom proveito da minha profissão, provando de tudo um pouco mundo afora. Abraços e até!

    Mariana Mangine, 33 anos, Comissária de Bordo

    • Olá Mariana. Desculpe a demora em responder. Estávamos em recesso olímpico.
      Ficamos muito curiosos por aqui para saber em qual companhia você trabalha, pois com certeza que não é em companhia brasileira. Independente do que os manuais digam, a realidade aqui é triste.
      Ficamos com muita vontade de viajar com você e já adiantamos que ninguém aqui é alérgico a castanhas.
      Obrigado pela audiência e parabéns pelo Galleycast.